domingo, maio 10, 2009

Aplicação da informação em organizações



As estruturas de informação são armazenadas no que, denominamos de estoques de informação: unidades que produzem e armazenam o conhecimento potencial produzido. Estas unidades elaboram os diferentes estoques de saber acumulado nas diferentes áreas do conhecimento.
Os estoques se juntam em agregados de informação que podem ser pessoas, inscrições de informação (documentos), conjunto de documentos em diferentes formatos, acervos meseológicos ou arquivos domiciliados.

O propósito da transferência da informação, é o de fazer acontecer, a partir das informações armazenadas, o fenômeno de percepção da informação pela consciência, percepção esta que direciona ao conhecimento do objeto percebido. A essência do fenômeno é esta intencionalidade. Um enunciado de informação deve ser intencional, arbitrário e contingente ao atingir o seu destino: criar conhecimento no indivíduo e em sua realidade.

Assim, o destino final, da informação é promover o desenvolvimento do indivíduo, de seu grupo e da sociedade. Desenvolvimento, entendido de uma forma ampla como sendo um acréscimo ao bem estar, um novo estágio de qualidade de convivência, alcançado através do conhecimento compartilhado.

A aplicação da informação tem foco na condição de desenvolvimento. É uma fase do processo de inovação e sua difusão. É um processo diferente do que o simples divulgar, por uma ação comunicativa, um conjunto de informações de interesse para uma determinada comunidade: esta seria uma outra ação que só pretende só fazer chegar a diferentes espaços sociais uma informação geral, sem uma preocupação de inovação, como por exemplo, alertas sobre saúde pública.
A apropriação da informação que inova revela um ritual de interação entre o sujeito e uma determinada estrutura de informação, gerando uma modificação em suas condições de entendimento e de saber acumulado. Esta apropriação representa um conjunto de atos voluntários, pelo qual o indivíduo reelabora o seu mundo modificando seu universo simbólico. É uma criação em convivência com suas cognições prévias; um inicio de algo que nunca principiou antes e que resultará sempre em uma modificação, como consequência do ato em si, ainda que, aconteça um retorno ao estado inicial de saber. O processo em si terá provocadou uma mudança,

A aplicação de uma informação em contextos diferenciados é uma ação de inteligência. Uma ação de operacionalização dinâmica na realidade do receptor. Neste processo participam institucionalmente as unidades de informação com suas duas funções básicas:

a) função de oferta: conhecer e fornecer estratégias para distribuição dos estoques de informação;

b) função de demanda: conhecer a comunidade de receptores para promover uma distribuição prioritária e só esta
.

A informação estocada se acumula com práticas técnicas bem determinadas e apoiadas em um processo de transformação orientado por uma racionalidade determinada por eventos definidos.

A produção ou geração do conhecimento ocorre como uma articulação, de passagem. A geração de conhecimento é sempre um fluxo dinâmico ao contrario dos estoques estáticos de informação. A interiorização é a finalização de um estado de aceitação subjetiva, que transcende a disponibilidade, o acesso e o uso da informação.

Porém, o indivíduo e sua realidade não são homogêneos. São fragmentados em suas condições sociais, políticas, econômicas e culturais. Os habitantes de uma realidade específica são multifacetados em suas aptidões para absorver a informação em aspectos como:

Grau de instrução, nível de renda, acesso e sensibilidade para com os códigos de representação simbólica, acesso e confiança aos canais de transferência da informação, contexto informacional específico, estoque pessoal de saber acumulado, competência na decodificação do código linguístico.

Harmonizar os estoques institucionais de informação disponíveis com uma distribuição adequada deve ser a intenção maior de todos aqueles que trabalham para aplicar a infonformação em diferentes contextos. Esta harmonização concilia,também, uma oferta de informação com interesses específicos das condições da demanda para um determinado grupo de receptores.

As características e estratégias da oferta e demanda podem ser analisadas a partir da descrição e explicação dos fluxos e estoques que formam a base da sua aplicabilidade:

OFERTA

Micro estratégia 1
*determinar as estruturas significantes com competência de gerar conhecimento em determinado grupo
Micro estratégia 2
*prever a geração de enunciados apropriados
Micro estratégia 3
*articular forma e conteúdo para a realizar a intencionalidade da aplicação específica
Micro estratégia 4
*promover estratégias de ação de comunicação com escolha de canais apropriados para operacionalizar a oferta e sua distribuição

Estratégia de oferta e fluxo

1) Trabalhar com o estoque conhecendo

* quantidade demandada
* qualidade da demanda
* condições explícitas da demanda
* condições implícitas da demanda
* formatação de estrutura e conteúdo da informação para esta demanda
e
2) Criar um fluxo desejável nos canais confiáveis e adequados

ESTRATÉGIA DE HARMONIZAÇÃO

Identificar mecanismos facilitadores para a aceitação da informação
Identificar resistências a aceitação da informação
Identificar prioridades e relevância nas necessidades dos receptores
Identificar limitações existentes na oferta e na demanda por informação
Identificar canais de comunicação adequados
Identificar formato da mensagem de informação adequada
Identificar estratégias de empacotamento tecnológico pertinentes
Identificar o código linguístico comum e suas particularidades

O formato da informação quando visto como um cristal é um átomo preciso em sua capacidade de refletir com invariância e regularidade as estruturas solidas da informação. Refletindo em muitas direções o cristal se transforma em chama que é a representação da liberdade individual no "consumir" da informação.

Cada pessoa, em sua individualidade, sensibilidade e percepção, lida com a chama interna da sua assimilação em danças próprias. Este é o rito de percurso da informação no tempo anterior ao conhecimento. A informação deixa a beleza do cristal para consumir-se na chama da individualidade de uma percepção única.

Um comentário:

Denis Cardoso disse...

Mestre, parabéns pelo brilhante texto!! Denis Cardoso